A INFLUÊNCIA DAS NOVAS TECNOLOGIAS NO CONTEXTO ESCOLAR (NOGUEIRA, Luciana de Medeiros- UFA)

Hoje a ficha caiu de verdade! eu tenho feito tanta coisa para conduzir meus alunos ao aprendizado, mas será que tenho oferecido a eles uma boa leitura midiática?

A “evolução midiática” possibilita o surgimento de novas formas de interação verbal e social, e consequentemente, novas maneiras de compreender o fenômeno do letramento. (NOGUEIRA, 2011, p. 1)

A velocidade com que a grande quantidade de informações circula nos mais variados ambientes virtuais e chegaaos mais distintos receptores, impõe novos ritmos e dimensões à tarefa de ensinar e de aprender, o que exige uma constante adaptação ao novo. (NOGUEIRA, op. cit, p. 1)

Essa revolução revela uma necessidade de novos métodos de aprendizagem que motivem o uso de múltiplas outras vias de leitura que, por sua vez, fogem ao tradicionalismo que tenta definir o que é ou não uma leitura legítima. (NOGUEIRA, op. cit, p. 2)

Seguindo princípios teóricos de correntes linguísticas de abordagens enunciativo-discursivas, concebemos a linguagem como uma atividade dialógica, como espaço de interlocução entre sujeitos sócio e historicamente localizado. (NOGUEIRA, op. cit, p. 2)

Contudo, partimos da hipótese de que,o professor ainda desconsidera métodos para o ensino de leitura que envolvam o uso desses recursos. (NOGUEIRA, op. cit, p. 2)

Os discursos, conforme a perspectiva da AD, acontecem na história, são materializados pela linguagem e providos de ideologias. Estão sempre sofrendo “atravessamentos” de discursos que os precederam e dialogando com os que o sucederão, mantendo um constante duelo, legitimando-os ou confrontando-os. A esse princípio constitutivo dos discursos, Bakhtin dá o nome de dialogismo, destacando que o discurso não é uma obra fechada e acabada, encenada por apenas um indivíduo, mas é umprocesso heterogêneo, visto que a palavra alheia se faz sempre presente na consciência do indivíduo. Esse processo não acontece de forma passiva, mas ocorre através de uma interação tensa, um conflito entre a palavra do eu e a palavra do outro. (NOGUEIRA, op. cit, p. 2-3)

Desse modo, a linguagem não pode ser dissociada de seu caráter dinâmico e ideológico, isso porque o individuo interpelado em sujeito pela ideologia, ao participar de uma interação discursiva, reflete essa carga ideológica no signo. (NOGUEIRA, op. cit, p. 4)

Adotamos aqui o conceito de mídias conforme Gonnet (2004, p.16)que descreve as mídias se referindo “tanto a instituições, a gêneros ou técnicas. Todavia as definições, para além da sua diversidade, insistem geralmente sobre a finalidade das mídias que implica uma comunicação”. Gonnet distingue desse modo três tipos de mídias: as mídias autônomas que não exigem nenhuma ligação com outra particular (livros, jornais…); as mídias de difusão que atuam através de ondas hertzianas ou cabos (televisão, rádio…); e, as mídias de comunicação que são aquelas que permitem a instauração de uma interatividade (computador, internet…). (NOGUEIRA, op. cit, p. 4-5)

É relevante lembrar que livros, revistas e até mesmo o giz e o quadro negro são também tecnologias e, portanto, educadores têm feito uso de tecnologias em sala de aula há bastante tempo. Porém, nessa perspectiva inovadora, interessam-nos tecnologias um pouco mais recentes como o computador (incluindo softwares e hardwares) e a internet. (NOGUEIRA, op. cit, p.5)

As mídias, principalmente o computador e a internet, fazem, cada vez mais, parte do universo de nossos alunos, aqueles que na têm computador em casa recorrem às chamadas Lan Houses3 para acessar a internet.Desse modo, precisamos estabelecer pontes efetivas entre educadores e os novos modos de interação e diálogo estabelecidos entre sujeitos e entre textos. (NOGUEIRA, op. cit, p.6)

Os PCN do ensino fundamental estabelecem ainda que:
Um leitor competente sabe selecionar, dentre os textos que circulam socialmente aqueles que podem atender as suas necessidades, conseguindo estabelecer estratégias adequadas para abordar tais textos. O leitor competente é capaz de ler as estrelinhas, identificando, a partir do que esta escrito, elementos implícitos, estabelecendo relações entre o texto e seus conhecimentos prévios ou entre o texto e outros já lidos.(NOGUEIRA, op. cit, p.7 apud PCN, p. 71)

Acreditamos que, partindo daquilo que o aluno gosta de ler, o professor pode instaurar nesse sujeito o prazer pela leitura de variados gêneros textuais e, assim, ajudar na construção de sentidos na leitura de múltiplos textos, sabendo que os sentidos são construídos a partir de relações dialógicas articuladas entre as informações presentes no texto lido e outros conhecimentos ativados pelo leitor no processo de leitura. (NOGUEIRA, op. cit, p.7)

Ao trabalhar com metodologias que privilegiem o uso desses recursos tecnológicosem sala de aula, o professor precisa ser capaz decriar ambientes de aprendizagemque possibilitem uma análise crítica dos dados apresentados, transformando a simples informação adquirida em conhecimento genuíno. (NOGUEIRA, op. cit, p.9)

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s